Nossas inesquecíveis equipes de futebol

Desde 1970, quando a Sede de Campo passou a ser frequentada, dois esportes se sobressaíram. O futebol, nos campos que existiam (amador e mirim) e saltos ornamentais. Pelos destacados esportistas que praticavam essas modalidades, os diretores da época, cientes do sucesso que o clube obteria com formações oficiais para representa-lo, imediatamente tomaram medidas para forma-las. Assim, foram escolhidos pelos praticantes de ambas, pelo que representavam neste departamentos, os associados, Adelino Antonio “Nino” Baldo, para o futebol amador e Raul Hein, para saltos.

Face ao bom número de talentosos futebolistas que o quadro associativo apresentava, inclusive de ex profissionais de equipes campineiras, como Antonio C. Signorélli, José Roberto Barreto, Nelson Juncke Júnior, Mauro Campos e outros, em razão de que as competições inter clubes promovidas pela Associação dos Clubes de Campinas e Região -Apesec- rigorosamente não permitiam participação desses atletas, nem dos que houvessem disputado campeonatos ou torneios promovidos pela Liga Campineira de Futebol nos últimos três anos, o coordenador geral de esportes, Adelino A. Nino Baldo deliberou, pela formação de duas equipes, uma para representar o clube nas disputas promovidas pela dita entidade, e outra, contando com os valores mencionados e muitos outros, que se destacavam disputando campeonatos da Liga, para se exibir em partidas amadoras amistosas.

Equipes importantes do Clube

A formação dessas equipes resultou num grande sucesso, pois nos campeonatos organizados pela Apesec, reunindo os clubes sociais desportivos de Campinas, o CULTURA foi vice-campeão em 1973, e campeão invicto em 1974, e em 1975, enquanto que a equipe principal e amadora, ao longo de seis anos, disputou 154 jogos, perdendo apenas 11 deles. Foi tanto o destaque de nossa principal equipe de futebol na época, que era constantemente convidada para participar de festivais e torneios, além de efetuar jogos de inauguração e reinauguração contra equipes de entidades congêneres, como ocorreu com o Concórdia, com a Sociedade Hípica, com a AABB e com o Clube dos Agrônomos e outros

Equipe Vice Campeã de 1973

Conforme determinou o regulamento, as duas equipes que terminassem as fases existentes, em primeiro e segundo lugar, independentemente dos pontos conquistados, disputariam um jogo final, no Campo do Regatas em Souzas. Apesar do CULTURA entrar em campo invicto e haver conquistado seis pontos a mais que o Concórdia nas fases anteriores, saiu derrotado na segunda prorrogação do confronto, por l gol a zero, marcado de penalidade máxima, pela aguerrida e experiente equipe concordiana.

 

 

Nesta foto aparecem os associados componentes de nossa equipe, que foi vice-campeã amadora inter clubes de 1973, após haver derrotado durante as disputas, todos seus adversários, inclusive o Clube Concórdia, em seu campo, na primeira fase, apresentando-se portanto invicta, para o jogo que apontaria o campeão daquele ano.

 

 

 

 


Todos eram associados que foram inscritos para o torneio inter clubes da Apesec no referido ano, quando o CULTURA conseguiu o título máximo de forma invicta, mais uma vez, enfrentando a equipe do Concórdia.

 

 

 

 

 

 

Nesta foto, aparece Benedito Machado, que após Benur A. Braz deixar o jogo final contundido, passou a ser o capitão da equipe, quando recebia um dos troféus conquistados, juntamente com o presidente da época, Sr. Argeu Pires Netto .

 

 

 

 

 

 

EQUIPE CAMPEÃ INVICTA DE 1975

 

 

 

 

No Campo do Mogiana, hoje Ceret, em 1975, nossa equipe de futebol, que nos representou naquele ano, no Campeonato Campineiro de Futebol Inter Clubes da Apesec, até então invicta, enfrentou a simpática formação do Círculo Militar de Campinas, quando sagrou-se bi-campeã da aludida competição, após sair vencedora pelo placar de 4 a 2.

Fez parte da equipe e não aparece na foto, um dos grandes responsáveis pela conquista, o goleiro, Tadeu Amaral, (hoje médico em São Paulo), que na partida semi final sofreu fratura em um dos braços e infelizmente, não participou do último jogo desta grande campanha, mas ficou firme na torcida do Cultura.

Outro fato que pode ser destacado, é que durante um jogo dessa equipe, válido pelas quartas de finais deste campeonato, disputado no Campo da AA Ponte Preta, como preliminar do Campeonato Brasileiro, foi marcado o 150º gol de nossas equipes oficiais, pelo associado Diógenes D. Calandriello, que além de ter sido fundamental para nossa classificação, garantiu uma bela medalha ao feliz futebolista. Como é sabido, o futebol no clube era tão forte nos anos 70, que existiram nessa competição, duas representações defendendo nossas cores, as equipes “A” e “B”. Enquanto a “A” , que era considerada favorita pelo título não passou da semi final, a “B” venceu em grande estilo todos seus oponentes e conquistou o título máximo com inesquecível brilhantismo.